Uncategorized

Sarau da Onça e Grupo Ágape na Bienal do Livro de São Paulo e outras quebradas

alaide

Alaíde Santana, Vinícius Almeida, Evanilson Alves, GOG, Sandro Sussuarana e Valdeck Almeida de Jesus (artistas da palavra)

Sandro Sussuarana, Evanilson Alves e Alaíde Santana chagaram à capital paulista para lançar o livro “O diferencial da Favela: Poesias Quebradas de Quebrada” (Editora Galinha Pulando) e participar de saraus e encontros culturais na terra da garoa. No dia 24 de agosto, das 14 às 16 horas, o trio esteve no estande da União Brasileira de Escritores (UBE-SP), onde lançou o livro e deu a voz com recital de poemas do grupo e de autores que inspiram o Sarau da Onça como Sérgio Vaz e GOG. Aliás, Sandro e Sérgio Vaz, juntamente com Zezé Olukemi (ilustrador do livro da onça), estarão na Festa Literária da Chapada Diamantina, na Bahia, em setembro próximo.

A onça correu solta na cidade. Desde o dia 20 de agosto que os representantes do Sarau da Onça têm participado da cena cultural do sudeste e fazendo sucesso por onde passa. Ciceroneado por Vinícius Almeida, Conselheiro Nacional da Juventude – Conjuve e APN’s (Agentes de Pastoral Negro), Sandro, Evanilson e Alaíde foram ao Sarau da Cooperifa onde recitaram e se encontraram com Sérgio Vaz; depois, deram uma palinha junto com o Coletivo A Rua na Praça Roosevelt, durante o debate sobre “Ditadura Militar ontem e hoje e o Fim da Polícia”, fizeram intervenção poética no CEU Tiquatira, participaram da Caminhada Nacional contra a Violência e o Extermínio de Negros, na Avenida Paulista; na sexta-feira palestraram sobre a cena cultural periférica e o Sarau da Onça, com participação de Valdeck Almeida de Jesus e Rodrigo Ciríaco, no Centro Cultural da Penha, a convite de Ana Carolina.

E no meio do caminho, tinha um poeta, tinha um escritor, tinha um amigo, tinha um afeto. Em todas as encruzas sempre havia um abraço. Alan da Rosa, Édson Neres, Akins Kintê, GOG, Mel Duarte, e tantas outras estrelas da Constelação de Artistas da Palavra, em encontros na rua, na caminhada, no metrô; onde quer que a onça passasse era abraçada, acariciada, reconhecida e aplaudida. Se tem uma família que se respeita, acolhe a quem chega, supera tudo em nome do amor à arte, esta família se chama Sarau da Onça. Dessa vez, o pulo da onça foi da Sussuarana para a maior cidade do Brasil. É disso que estou falando!

Fonte: Galinha Pulando

Postado por Valdeck Almeida de Jesus às 2:02 PM

Marcadores: alaide santana, evanilson alves, sandro sussuarana, sarau da onça; bienal internacional do livro se são paulo, sergio vaz, Valdeck Almeida de Jesus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s