Uncategorized

Jovens da periferia de Salvador marcham contra violência e extermínio da juventude

“Evento que reúne artistas e articuladores da região acontece no próximo domingo (17)” A partir de dados que apontam números alarmantes de assassinatos de jovens na capital baiana, parte a mobilização de um dos grupos mais atingidos, a juventude da periferia. Estatísticas apontam que entre 2009 e 2012, 6.483 pessoas foram assassinadas em Salvador – a … Continuar lendo

Uncategorized

Sarau da Onça e Grupo Ágape na Bienal do Livro de São Paulo e outras quebradas

Alaíde Santana, Vinícius Almeida, Evanilson Alves, GOG, Sandro Sussuarana e Valdeck Almeida de Jesus (artistas da palavra) Sandro Sussuarana, Evanilson Alves e Alaíde Santana chagaram à capital paulista para lançar o livro “O diferencial da Favela: Poesias Quebradas de Quebrada” (Editora Galinha Pulando) e participar de saraus e encontros culturais na terra da garoa. No … Continuar lendo

Dilma se compromete com movimentos negros a reforçar políticas afirmativas
Uncategorized

Dilma se compromete com movimentos negros a reforçar políticas afirmativas

A presidenta Dilma Rousseff se comprometeu a reforçar as políticas afirmativas dos últimos dez anos em audiência com representantes de 20 movimentos ligados à questão da igualdade racial. Em encontro ontem (19) no Palácio do Planalto, os integrantes de organizações da sociedade civil admitiram os avanços dos governos do PT, mas cobraram que se dê … Continuar lendo

2 de Julho: a independência está por vir.
história/Uncategorized

2 de Julho: a independência está por vir.

Os laços formais de dependência política que nos unia a Coroa portuguesa foram quebrados com a proclamação da independência nas primeiras décadas do século XIX. Num episódio por demais conhecido da grande parte da nossa população, o então príncipe-regente declararia o rompimento dos laços que ainda nos ligava ao governo português. Mas ninguém morreu, nem … Continuar lendo

Não somos classe média, não somos morenos
Uncategorized

Não somos classe média, não somos morenos

Trezentos e cinqüenta anos de escravidão e 124 de discriminação racial condenaram à marginalização econômica e social a esmagadora maioria dos descendentes de escravizados no Brasil. À exclusão somou-se uma série de adjetivos para justificar a escravidão e o racismo. Negro, no Brasil, tornou-se sinônimo de criminoso, desonesto, ocioso, ignorante, imoral etc. Por outro lado, … Continuar lendo

Uncategorized

Urgências na educação das comunidades quilombolas

O preconceito racial existente na sociedade brasileira tem dificultado a realização de estudos sobre as condições socioeconômicas e culturais dos diferentes grupos étnicos que compõem a população do país. Em decorrência desse fato, alguns grupos enfrentam problemas que determinam sua marginalização e o difícil acesso aos benefícios sociais. Podemos citar, no enfrentamento deste quadro, as … Continuar lendo