Fatos e acontecimentos

Pela primeira vez, eleições em Salvador serão dominadas por negros

Salvador é a cidade mais negra do Brasil e a que tem maior população com descendente de africanos fora da África. Assim também, a Bahia é o estado com o maior número de negros no Brasil, de acordo com o último censo do IBGE. Curiosamente, este ano é o primeiro da história política da capital em que há negros em todas as chapas de candidatos à prefeitura. Das cinco candidaturas, duas têm negros como aspirantes a prefeito e outras três colocam afrodescendentes como vices.
Apesar de serem os únicos negros candidatos, Márcio Marinho (PRB) e Hamilton Assis (Psol) são, aparentemente, os com menos chances de conquistar o cargo principal do Executivo. Eles aparecem com os menores percentuais de intenções de voto nas primeiras pesquisas até o momento no cenário eleitoral da cidade.
Márcio Marinho é bispo da Igreja Universal e foi eleito deputado federal nas eleições de 2010 com 83 mil votos, todos com base em Salvador e ligados à influência da Igreja Universal do Reino de Deus. Já o último é pedagogo e atua junto ao movimento de minorias. Ambos consideram “oportunismo” das outras chapas – de maior poderio eleitoral – indicarem vices negros, uma vez que não dão à comunidade identificada com a cor reais chances de ter um semelhante no poder.
Vices
Nelson Pelegrino (PT), ACM Neto (DEM) e Mário Kertész (PMDB) são os candidatos à prefeitura criticados pelos candidatos negros. Eles apresentaram ao longo das últimas semanas três nomes para a disputa de vice que, além de negros, também estão identificados com a militância social na cidade.
A vereadora Olívia Santana (PCdoB) ocupa o cargo de vice dos petistas, enquanto o DEM de ACM Neto apresentou Célia Sacramento (PV), em uma aliança surpreendente (Alguém já viu o DEM e o PV unidos?). Por sua vez, o PMDB escolheu o administrador de empresas Nestor Neto, do mesmo partido.
De todos os três, a mais conhecida é a vereadora. Com três mandatos seguidos, ela afirma que sabe correr o risco de não vencer a eleição e ficar sem mandato por pelo menos mais dois anos. Entretanto, atesta que um político não pode ficar eternamente em posição de conforto e que deve agir sem individualismo em prol do povo. Ela é filha de uma empregada doméstica com um marceneiro, cursou a Universidade Federal da Bahia (UFBA) depois de passar pela escola pública e é diretora do movimento negro na cidade.

Já Célia Sacramento é professora e também está ligada ao movimento negro. Ela se engajou ainda na adolescência no movimento estudantil, se formou em contabilidade e posteriormente conquistou títulos acadêmicos na área até ser nomeada professora da UFBA. Célia é filiada ao PV há seis anos, mas afirma que desde que ACM Neto concorreu à prefeitura pela primeira vez, há quatro anos, já havia identificado nele o que chamou de “melhor proposta para Salvador”.
O PMDB também escolheu um candidato a vice-prefeito que tem sua representatividade junto ao movimento estudantil. Nestor Neto tem 31 anos e é o mais jovem candidato a vice das eleições. Ele é presidente da Juventude do PMDB na cidade e, em 2003, ficou famoso após comandar a “Revolta do Buzu”, movimento estudantil que parou a cidade por dias durante um processo de aumento de passagens do transporte público.
Segundo o radialista e candidato a prefeito Mário Kertész, indicar um vice tão jovem é uma “prestação de tributo”. Quando tinha 22 anos, ele foi eleito chefe de gabinete da prefeitura pelo então prefeito Antônio Carlos Magalhães. Aos 26, foi nomeado secretário de Estado pelo mesmo.
Fonte: Revista AFRO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s