Uncategorized

Poesia, emoção e festa em espetáculo criado pela Fundação Palmares

                                                                                                             Foto: Pedro França / MinCJoão Gonzaga, coordenador artístico do PIM, interpretando o Hino Nacional

                                            Foto: Pedro França / MinC

O ator Osvaldo Mil, como mestre-de-cerimônias

SONS, ritmos e cores do Brasil deram a tônica do espetáculo de abertura da 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, que começou ontem (25), em Brasília. Um panorama da diversidade cultural brasileira foi levado pela Fundação Cultural Palmares, organizadora do espetáculo, aos palcos do Teatro Nacional. O evento reuniu mais de mil pessoas e cerca de 140 delegações internacionais.

Mesclando, equilibradamente, música, teatro, dança, cordel e falas contundentes sobre o patrimônio natural e cultural da humanidade, o espetáculo emocionou o público, que cantou, dançou e bateu palmas, participando ativamente do samba-de-roda de Dona Nicinha (que o recepcionou); dos bem-humorados sketches do mestre-de-cerimônias (um show à parte) e da performance de Milton Nascimento (que encerrou a mostra).
– Isso aqui, ô ô… é um pouquinho de Brasil, ai ai…
Puxados pela trilha sonora criada especialmente para a ocasião pelo maestro Jarbas Bittencourt, e entoados em uníssono pela platéia, os versos de Isto aqui, o que é?, de Ari Barroso, resumem bem o espírito de Caminhos Abertos do Brasil, título da mostra de parte significativa do patrimônio imaterial do País, com roteiro e direção artística de Elísio Lopes Júnior.
GRUPO PIM – Além do samba-de-roda, passaram pelo palco maracatu, xaxado, culto aos orixás, carnaval carioca, literatura de cordel, lendas amazônicas, caboclo brasileiro e cangaço, encantando o público pela estética, pelo ritmo e, especialmente, pela força simbólica de suas representações. Como esperado, o Grupo PIM (Projeto de Iniciação Musical) arrancou aplausos calorosos da platéia.
Um dos pontos altos do roteiro, o hino nacional foi executado de modo inédito pelo grupo: inicialmente cantado à capela, foi sendo, crescente e gradativamente, encorpado pelos sons de berimbaus, chocalhos, paus-de-chuva, triângulos, pandeiros, alfaias e outros instrumentos peculiares. “Lindo, emocionante, riquíssimo”, foram alguns dos adjetivos ouvidos durante e depois da apresentação do espetáculo, em vários idiomas e sotaques.


Estou vendo a África no Brasil! (expectadora anônima,
    em língua inglesa).

A elasticidade e o vigor do Balé Folclórico da Bahia, a técnica do Circo Picolino e a versatilidade do ator Osvaldo Mil, como um inusitado mestre-de-cerimônias, foram outros destaques da noite. Com eles, as manifestações artísticas que fundaram culturalmente nosso País ganharam vida, beleza e calor, valorizados por uma iluminação exuberante e precisa.
MILTON – Após as falas das autoridades, criativamente inseridas no cenário, os tambores de Minas soaram forte, sob o comando de Milton Nascimento. Ilustradas pelo grupo teatral mineiro Ponto de Partida, as canções de Milton ganharam ainda mais dramaticidade. Ao final, entre comovida e excitada, a platéia ficou de pé, dançando e acompanhando os versos de “Maria, Maria”. Ponto alto da noite.
Participaram da cerimônia de abertura da 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, dentre outras autoridades, a secretária-geral da Unesco, Irina Bokova; os ministros da Cultura e do Meio Ambiente, respectivamente, Juca Ferreira e Isabella Teixeira; o representante do Brasil na Unesco, embaixador Souza Lima; o presidente da Fundação Cultural Palmares, Zulu Araújo; o presidente do IPHAN, Luís Fernando de Almeida; e o presidente da Funarte, Sérgio Mamberti – além, claro, de representantes de todos os continentes, enchendo o Teatro Nacional com as cores, vestes e jeito de ser de africanos, europeus, asiáticos, árabes, latinos, caribenhos, americanos…

Uma festa memorável!

Eu fiquei encantada com a cerimônia, porque
    mostrou uma diversidade cultural associada
    com o patrimônio natural brasileiro
    
(Jurema Machado, coordenação de Cultura da Unesco no Brasil). 

                                                                                                              Foto: Pedro França / MinC
A exuberância do Balé Folclórico da Bahia, representando visualmente o carnaval carioca

É emocionante ver um espetáculo brasileiro
    tão amplo, tão plural… 
(Ângelo Oswaldo, prefeito de Ouro Preto). 


                                                                                                          Foto: Pedro França / MinCMilton Nascimento e Grupo Ponto de Partida: mescla de música e teatro


Foi importantíssima a contribuição da Palmares
    na montagem de um espetáculo que representa
    a alma e o espírito deste País  
(Luís Fernando de Almeida,
    presidente do Iphan).


                                                                                                                                           Foto: Pedro França / MinC

              O Grupo PIM, em momento de muita emoção e beleza plástica, durante execução do Hino Nacional

Conhecer um pouco do Brasil por meio dessas
    manifestações é um presente, só temos que
    agradecer 
(Jurema Machado, coordenação de Cultura da
    Unesco no Brasil).

                                                                                                            Foto: Pedro França / MinC
      Juca Ferreira, ministro da Cultura, e D. Nicinha, do samba-de-roda de Santo Amaro  (BA)

Essa mostra sobre o patrimônio imaterial
    complementou a convenção sobre o
    patrimônio material 
(Juca Ferreira, Ministro da Cultura). 

                                                                                                         Foto: Sal Freire / Palmares

                    Integrantes do Grupo PIM saúdam o presidente da Palmares, Zulu Araújo

É nosso dever preservar esse tesouro cultural
    
(Zulu Araújo, presidente da Fundação Cultural Palmares).                                                                                                      


                                                                                                             Foto: Pedro França / MinCNo camarim de autoridades, antes do início do espetáculo:
Vincent Defourny (Unesco no Brasil), Irina Bokova (Unesco), Zulu Araújo (Fundação Palmares),
Ivelise Longhi (Vice-Governadora do DF),  Juca Ferreira (Ministro da Cultura),
Sérgio Mamberti (FUNARTE) e Eleonora Valentinovna (Unesco)
FONTE: ASCOM / PALMARES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s