Uncategorized

Discutindo a sustentabilidade da causa da equidade racial no Nordeste

Discutindo a sustentabilidade da causa da equidade racial no Nordeste

No próximo dia 10 de abril, organizações do Movimento Negro e órgãos de promoção da igualdade racial discutem com representantes do CEAFRO (UFBA), Instituto Steve Biko e Fundação Kellogg alternativas para sustentabilidade das iniciativas de combate ao racismo.


O encontro faz parte da programação da Fundação Kellogg para a região Nordeste que se iniciou em 2008, através da consulta a algumas lideranças negras e foi ampliada, em 2009, com a realização do Mapeamento de políticas, organizações e lideranças negras do Nordeste, realizado pelo CEAFRO, programa do CEAO – Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA.
O propósito da Fundação Kellogg é promover a equidade racial como forma de inclusão social, através da criação de um mecanismo sustentável de captação e aplicação de recursos. A idéia é que a iniciativa seja feita em conjunto com os movimentos negros e que crie parcerias intersetoriais com governos, empresas e universidades.
Na reunião, aberta ao público, serão apresentados dados do levantamento das principais políticas e organizações nordestinas visitadas pelo CEAFRO e será divulgada a proposta de atuação da Fundação Kellogg para os próximos anos. Além disso, o Comitê Programático, formado por lideranças reconhecidas pela luta contra o racismo, será apresentado ao público. O evento será um espaço aberto para que os movimentos possam dar sugestões ao desenvolvimento de estratégias para sustentabilidade da luta contra o racismo.
Segundo Andrés Thompson, diretor de programas para a América Latina e Caribe da Fundação Kellogg, o objetivo é garantir a sustentabilidade da causa racial. “Queremos estabelecer diálogos e parcerias com diferentes segmentos da sociedade, sejam movimentos sociais, empresas, ONGs ou organismos públicos. A intenção é identificar e nos conectar aos atores-chave da causa, entender o que tem sido feito e as principais barreiras e inovações no que se refere à busca pela equidade racial no Brasil”.
Para o doutor em Administração Pública e membro do Comitê Programático, Elias Sampaio, “um dos elementos cruciais que fazem do Brasil um país desigual é exatamente a existência da desigualdade racial. Em função da forma como o racismo opera aqui, ele acaba impedindo o processo de desenvolvimento econômico e social. Então, investir nessa discussão é fundamental”.
A diretora do Geledés, Sueli Carneiro, que também é parte do comitê, ressalta a importância do debate para a integração regional “Esse trabalho está resgatando processos regionais que possibilitarão um reflorescimento de estratégias coletivas do movimento negro na região Nordeste.”
A Fundação Kellogg foi criada em 1930 por um industrial da área de cereais e atualmente é uma das maiores fundações dos Estados Unidos. Hoje a instituição tem trabalhos nos Estados Unidos, na América Latina e Caribe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s